domingo, outubro 29, 2006

Sonhando...

De novo. Acordo com marteladas na cabeça sempre do fundo pra frente, do pescoço pra testa. Não, sinceramente não lembro si contratei alguém pra consertar essa máquina maluca. Ela deu pra isso agora pane! Ai!!! Outra pontada, e o mundo gira e por instantes eu esqueço como é que se fazer pra respirar, e todas as frases da parede do meu quarto começam a se misturar, perdem o senti, perco o chão e tudo vira abismo. Ainda bem que tudo isso dura menos que um minuto, por que acho que no dia que durar mais eu estou fudida #%@!
Bom dia! Só si for pra você né? Por que pra mim o castigo vai ser longo uma 24 horas pelo menos.
Essa droga aparece sempre do nada, às vezes por causa da L.E.R., outras vezes vem acompanhada com a velha enxaqueca crônica, fazendo festinha na minha cabeça lotada. Ando comendo mal, dormindo mal, pensando muito (cabeça cheia). E daí nunca fui regradinha pra comer mesmo, dormir meu Deus?! Não lembro a primeira vez que dormir pra mim foi fácil.
Tenho medo de dormir e não acordar nunca mais, medo de me perder dentro da cachola, medo de vagar por ai e esquecer onde deixei meu corpo. Meu corpo, minha testa grande; minha mancha escura do lado esquerdo do rosto, que só dá pra ver de vez em quando; meu pneuzinho que não some apesar do incentivo; meu cabelo de bolinha; minhas curvas mal projetadas; meu pé chato; meu pescoço curto. Sim o meu corpo, que muitas vezes abominei como morada. Ainda sim, não cogito a possibilidade de perdê-lo.
Perder-me talvez seja a solução dos meus problemas, porém pra mim as coisas não funcionam assim tenho cede de certezas, “sou sincera demais comigo”, preciso saber que não devo certezas; palavras... a ninguém, inclusive a mim mesma. Dormir pra mim é gratificação de dever cumprido, encostar a cabeça no travesseiro é meta.
Deitar hoje na cama encostar a cabeça no travesseiro e colocar a britadeira que anda fazendo estrago aqui dentro de lado, pensar em coisas boas e achar que ando atingindo minhas próprias expectativas, conseguir fechar o olho e espantar todos os monstros pra mim é um sonho.
Pois é ultimamente só sonho assim acordada!

Um comentário:

Renata disse...

perder-se talvez seja a solução, mas encontrar-se talvez seja a resposta. e tem momentos em que a gente precisa mais dessa que daquela. talvez, quem sabe?
bj!